MAIS UMA

MP investiga desvio de medicamentos contra Covid-19 para uso particular na Prefeitura de Uiraúna/PB

Caso teria acontecido no ano passado durante a gestão do ex-prefeito Segundo Santiago

14/10/2021 15h12Atualizado há 2 dias
Por: Paraíba Todo Dia
Fonte: Redação + Click PB
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Foi aberta no Ministério Público da Paraíba (MPPB) uma investigação para apurar desvios de medicamentos e insumos farmacêuticos para enfrentamento da Covid-19 da Prefeitura de Uiraúna para atendimento médico em clínicas particulares.

O caso teria acontecido no ano passado durante a gestão do ex-prefeito Segundo Santiago, que tentou a reeleição em 2020, mas perdeu. Ao programa Arapuan Verdade, da Arapuan FM, o ex-prefeito afirmou que está tomando conhecimento das acusações, mas atribuiu a denúncia à "perseguição política".

"O que nós percebemos é como é comum de quem tem uma administração que não está cumprindo com o seu dever de desenvolver a cidade procurar fazer a politicagem, a perseguição, levantando falsas situações para poder denegrir a imagem do gestor", disse nesta quinta-feira, 14.

A denúncia foi realizada pela atual administração municipal, que informou ao MPPB a falta de insumos na Secretaria de Saúde do município. A partir da documentação apresentada, foi instaurado o inquérito civil.

Na última quinta-feira, 07, a residência de Segundo Santiago chegou a ser alvo de buscas e apreensão. Na ocasião, foram apreendidas seringas, luvas, frascos de soro fisiológico, máscaras e álcool em gel.

Algumas embalagens eram do mesmo fornecedor do material da prefeitura, sendo a coincidência mais um indício a ser considerado. 

"Todo o material apreendido será analisado. Logo após, encaminharemos as medidas que se fizerem necessárias", afirmou o promotor de Justiça, Eduardo Luiz Cavalcanti Campos, que está à frente do caso.

Além do Ministério Público, participaram da ação dois oficiais de diligência da Promotoria de Justiça de Sousa, dois oficiais de Justiça e seis policiais militares. A medida cautelar foi concedida pelo juiz Agílio Tomaz Marques, da 4ª Vara Mista da Comarca de Sousa.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.