PUNIÇÃO

Decisão: STJD multa Treze e presidente segue suspenso

Decisão é da Quinta Comissão Disciplinar e cabe recurso

08/10/2021 14h52Atualizado há 1 semana
Por: Paraíba Todo Dia
Fonte: Redação + Click PB
Foto: PB Esportes
Foto: PB Esportes

O Treze foi punido no STJD do Futebol por descumprir decisão da Justiça Desportiva. Denunciado por não pagar as taxas da arbitragem e não pagar multa aplicada no STD, o clube foi multado nesta sexta, 08, em R$ 10 mil, além de ser mantida a suspensão preventiva do presidente Walter Cavalcanti Júnior até o cumprimento das obrigações.  A decisão é da Quinta Comissão Disciplinar e cabe recurso. 

Treze e América/RN se enfrentaram em 18 de março e constou na súmula o não pagamento das taxas. O clube mandante foi julgado pela Segunda Comissão em 1 de junho e multado em R$ 5 mil por descumprir obrigação, além de ser determinada a juntada do comprovante do pagamento das taxas.

A Procuradoria denunciou o Treze no artigo 223 e 191 e seu presidente Walter Cavalcantio Junior no artigo 223. Diante da Comissão Disciplinar, o Procurador Álvaro Cassetari fez alguns esclarecimentos. “Só para esclarecer, esse caso houve uma condenação já do clube com base no artigo 191, inciso III, pelo não pagamento das taxas. A tipificação desse caso no artigo 223 consta a possível punição do presidente no parágrafo 1º do artigo 223”. Defensora do Treze, a advogada Patrícia

Saleão contextualizou a situação do clube e pediu a revogação da suspensão do presidente.

“Até onde nós sabemos uma partida de 18 de março não teve torcida e nem arrecadação, sem renda bruta da partida. A CBF tem custeado essas despesas da arbitragem em vários jogos da Série D. O clube não efetuou o pagamento, foi julgado e punido com multa de R$ 5 mil e, sem condições de pagar, o clube pede que seja parcelada a multa. O artigo fala em pessoa natural e neste caso estamos tratando de entidade. O presidente disse que iria fazer um levantamento para pagar essas taxas e juntas os comprovantes. Não temos ainda os comprovantes e pedimos a revogação da suspensão por ser uma infração cometida pelo clube e não pelo presidente.  Infelizmente o clube está se empenhando para fazer o pagamento e estamos falando de um clube da Série D e sem muitos recursos. Toda punição tem que ser direcionada para o clube. Que o presidente seja absolvido, a suspensão revogada e considerada a situação do clube na aplicação de uma pena no artigo 223”, concluiu.

Para o relato do processo, auditor Vanderson Maçullo, a infração está configurada e o clube até hoje não cumpriu a obrigação e decisão.

“O clube até hoje não fez o pagamento das taxas e nem da multa do julgamento. Acolho a argumentação da Procuradoria e condeno o Treze com multa de R$ 2 mil no artigo 223, mantendo a suspensão automática do presidente enquanto os pagamentos não forem efetuados”, explicou.

Divergindo em parte, o auditor Eduardo Mello anunciou seu voto. “Acho a multa baixa tendo em vista que a multa no primeiro julgamento foi de R$ 5 mil. Pra mim a multa aqui é de R$ 10 mil no artigo 223, mantendo a suspensão automática do presidente até o cumprimento das obrigações”, justificou.

Já o auditor José Maria Philomeno abriu nova divergência. “Aplico multa de R$ 5 mil ao clube e também voto pela manutenção da suspensão preventiva do presidente até que se cumpra as obrigações”, concluiu.

O auditor João Gabriel Maffei votou para multa de R$ 10 mil ao clube, mantendo a suspensão automática do presidente até o cumprimento das obrigações, enquanto o presidente Otacílio de Araújo Neto também aplicou R$ 10 mil ao clube e votou para aplicar ainda multa de R$ 10 mil ao presidente, além de manter a suspensão preventiva do mesmo até o cumprimento das obrigações. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.